quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Lembrando MEU PAI

MEU PAI

Grato por tudo o que propiciou ao meu ser,
E na certeza que era grande, a alegria que o moldava,
serenamente, por dentro,
Arrisco estas simples mas sentidas palavras.

Chegarão ao seu destino,
Levadas pela brisa do amor e embebidas em gratidão que,
Seguramente, jamais se apagará.
Mas serão sempre poucas.

Poucas porque os seus gestos me ensinavam.
Poucas porque o seu olhar me orientava.
Poucas porque a sua bondade me comovia.
Poucas porque a sua serenidade me acalmava.
Poucas porque, simplesmente...
FOI SEMPRE MEU PAI.

Por isso, recuso dizer-lhe Adeus.
Prefiro antes lembrar os nossos sorrisos,
Prefiro antes guardar os nossos abraços,
Prefiro antes ouvir a sua voz,
Prefiro antes sentir o seu calor.
Prefiro antes, fazer com que esses momentos sejam... eternos.

Jamais o esquecerei.

Eu sei que ele não morreu.
Apenas partiu antes nós!

(27 Dezembro 1928 - 20 Outubro de 2008)

***Republicação***

2 comentários:

ATM disse...

Poema sentido,
de profundidade,
sensibilidade e respeito!
Parabéns
e gratidão.

Anônimo disse...

Foi um grande amigo,um grande pai e um grande avô.
Fiquei arrependida de por vezes ter-lhe transmitido palavras "feias",neste caso refilar.E que depois do seu falecimento lembrei-me que estava errada e que ele(avô) ficava descontente.
Lembro-me dos momentos que tinha maus e bons que passamos.Estará sempre lembrado no meu coração.

Beijinhos com saudade Francisca