sábado, 25 de outubro de 2008

MEU PAI

Grato por tudo o que propiciou ao meu ser,
E na certeza que era grande, a alegria que o moldava,
serenamente, por dentro,
Arrisco estas simples mas sentidas palavras.

Chegarão ao seu destino,
Levadas pela brisa do amor e embebidas em gratidão que,
Seguramente, jamais se apagará.
Mas serão sempre poucas.

Poucas porque os seus gestos me ensinavam.
Poucas porque o seu olhar me orientava.
Poucas porque a sua bondade me comovia.
Poucas porque a sua serenidade me acalmava.
Poucas porque, simplesmente...
FOI SEMPRE MEU PAI.

Por isso, recuso dizer-lhe Adeus.
Prefiro antes lembrar os nossos sorrisos,
Prefiro antes guardar os nossos abraços,
Prefiro antes ouvir a sua voz,
Prefiro antes sentir o seu calor.
Prefiro antes, fazer com que esses momentos sejam... eternos.

Jamais o esquecerei.

Eu sei que ele não morreu.
Apenas partiu antes nós!

(27 Dezembro 1928 - 20 Outubro de 2008)

2 comentários:

Ângelo Cardoso disse...

Quem tem um pai assim, já mais ele desaparece de nós.
Só que antes tinha-mos o corpo, agora temos a alma.
Meu caro e amigo Pedro, o legado por ele deixado é grande,
Nisso se vê a grandiosidade da família e da obra.

Agora só resta dizer, para continuares como tens feito, pois a maior alegria que podes dar é;
Continuar a viver com a mesma alegria com que ele viveu, e com o mesmo empenho que ele se empenhou, e nisso tenho a certeza que ele onde estiver terá sempre, mas sempre o maior orgulho em ti…

Ângelo M.M. Cardoso.

Shrek disse...

Bonita homenagem que presta ao excelentíssimo senhor, seu pai!
Sem muito jeito para este tipo de Kouzas, quero apenas expressar os meus votos de solidariedade e profundo pesar por tão triste acontecimento.
Um abraço para toda a família.